Skip to content

Deslize a página e volte no tempo com a Viação Garcia:

2000 a 2009

2006

Irizar Century

Anos 2000: o modelo europeu Irizar Century representou um grande avanço na frota da empresa. Panorâmico e com insulfilm, trazia inovações em climatização, conforto térmico, tamanho das poltronas e cinto de segurança retrátil. Nos banheiros, as novidades eram controle de fluxo de água e ar-condicionado independente.

2005

Busscar

No início do novo século, o novo modelo surpreendia com poltronas reclináveis em 180° e dois pisos. Confortos adicionais para os passageiros eram as geladeiras, cafeteira elétrica, ponto para carregador de telefone celular e cinto de segurança em todas as poltronas. O sistema de calefação inteligente incluía ar refrigerado ecologicamente correto.

1990 a 1999

1998

Irizar

O modelo espanhol foi trazido ao Brasil pela Viação Garcia no final dos anos 90, inaugurando a linha Top Bus com o conceito de máximo conforto ao passageiro. O ônibus incluía itens de segurança inéditos à época. O modelo Century 1998 apresentava design arrojado e moderno, poltronas leito turismo e chassi Volvo, com 38 assentos.

1980 a 1989

1986

Trinox

Este modelo foi um marco do transporte rodoviário terrestre nos anos 80. A partir de know how próprio, a Viação Garcia desenvolveu o terceiro eixo neste veículo com chassi Scania. O grande diferencial era uma grande estabilidade nas estradas e, portanto, mais segurança e conforto para os passageiros. O Trinox transportava 46 pessoas e tinha potência de 305 cavalos.

1970 a 1979

1977

Ônibus do Papa

No início da década de 80, ganhava força o desenvolvimento de tecnologias próprias para o transporte coletivo de passageiros. O Scania B-111 representou um grande salto de qualidade na prestação do serviço. O modelo é considerado uma relíquia pela empresa, pois transportou o Papa João Paulo II durante sua visita ao Brasil em 1980. O ônibus está no pátio da Viação Garcia como uma peça importante da história da empresa e da cidade.

1960 a 1969

1964

Fenemê

Para ampliar a sua atuação nos anos 60 e percorrer distâncias maiores, a empresa decidiu utilizar know how italiano e adquiriu o modelo FNM/Alfa Romeo, com capacidade para transportar 37 passageiros. O apelido “Fenemê” foi extraído da sigla FNM (Fábrica Nacional de Motores). Era empregado em rotas mais longas, como Londrina/Curitiba e Londrina/São Paulo.

1950 a 1959

1951

Geraldão

O avanço da indústria automobilística nos anos 1950 trouxe inovações de design introduzidas também na linha de produção de ônibus. O GMC-ODC 210, de 1951, é o primeiro modelo desta leva, que apresenta uma preocupação mais estética e inaugura a tendência de frente reta. A capacidade do “Geraldão”, como ficou popularmente conhecido, era de 35 passageiros.

 

1940 a 1949

1942

Pavão

O modelo GMC 1942 oferecia, nos anos 40, mais proteção aos seus 33 passageiros. Fechado e acortinado, tinha o motor adaptado para rodar a gasogênio. Afinal, eram tempos difíceis – plena Segunda Guerra Mundial – com racionamento de combustível. O ônibus ficou conhecido como “Pavão”. Para percorrer o trajeto entre Londrina e Paranavaí, que tem a distância de 207 km, levava 16 horas.

1934 a 1939

1934

Catita

O primeiro veículo da frota da Viação Garcia foi um caminhão Ford 1933, transformado em jardineira para acomodar os passageiros. Começou a rodar na época da colonização do Norte do Paraná, transportando os pioneiros que, muitas vezes, pagavam a passagem à base de permuta, até mesmo com galinhas. A primeira linha, de 25 km, ia de Londrina a Jataizinho e levava um dia inteiro para ser percorrida. Para não atolar nas estradas de barro, a “Catita”, apelido carinhoso que o veículo recebeu, tinha correntes amarradas entre os pneus.