A Garcia

   Do pioneirismo do século XX aos avanços do século XXI

A Viação Garcia nasceu em 1934, quase simultaneamente com o município de Londrina, num tempo em que as cidades iam surgindo em torno das paradas de ônibus. No início da década de 1930, a região Norte do Paraná era chamada de ``o novo Eldorado´´ e atraía migrantes e imigrantes.

A colonizadora inglesa Companhia de Terras Norte do Paraná nomeou o mecânico alemão Mathias Heim responsável pela administração do transporte dos pioneiros e imigrantes. Heim procurou um sócio para ajudar a vencer o desafio. Encontrou o jovem imigrante espanhol Celso Garcia Cid e, em 15 de janeiro de 1934, foi criada a Companhia Rodoviária Heim & Garcia, a segunda do setor estabelecida legalmente no Brasil. O município de Londrina foi fundado em 10 de dezembro de 1934. Ainda em 1934, a pedido de Celso Garcia Cid, seu caminhão Ford foi transformado na primeira jardineira da empresa, carinhosamente chamada de Catita.

Em outubro de 1937, com a saída de Mathias Heim, entrou em cena outro imigrante espanhol, José Garcia Villar. A partir de 1º de fevereiro de 1938, foi criada a Empresa Rodoviária Garcia & Garcia. A nova sociedade funcionou como uma engrenagem perfeita. Celso Garcia Cid era o acelerador e José Garcia Villar a embreagem. A ousadia e o empreendedorismo de Celso Garcia Cid impulsionavam a expansão da empresa. O controle e a administração de Garcia Villar faziam a companhia crescer com segurança e saúde financeira.

A Viação Garcia cresceu no ritmo acelerado que impulsionou o desenvolvimento de vários municípos do Norte do Paraná, transportando pioneiros, imigrantes, colonizadores, trabalhadores e empreendedores.

Com orgulho de fazer parte da história de Londrina, a Viação Garcia comemora seu aniversário juntamente com o do município, dia 10 de dezembro.

   Entre as cinco maiores empresas do setor

Hoje, a Viação Garcia se destaca entre as cinco maiores empresas do setor no País, reconhecida pelos investimentos em novas tecnologias para garantir cada vez mais conforto e segurança para seus passageiros. A frota moderna de mais de 500 ônibus percorre 5,5 milhões de quilômetros por mês (mais de 120 voltas ao redor da Terra) nas linhas que ligam os estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Nas linhas metropolitanas, a frota de 80 ônibus está totalmente atualizada com modelos adequados para o atendimento de passageiros com mobilidade reduzida. A frota moderna e atualizada também está disponível nos fretamentos para transporte de grupos para lazer, turismo, negócios e outros eventos.

A trajetória de sucesso da empresa é marcada pelos investimentos em inovações que dão prioridade ao conforto do passageiro desde o momento em que ele compra a passagem. A Garcia oferece facilidades como a compra de passagens pela internet para pagamento com cartão de crédito e a possibilidade de marcar o assento até 30 dias antes da viagem. A compra de passagem para qualquer destino da Viação Garcia também pode ser feita por telefone.

Nas principais cidades dos Estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro, além das rodoviárias, a Viação Garcia mantém 370 pontos para venda de passagens. A estrutura de atendimento ao cliente e de manutenção dos ônibus está presente em 23 filiais.

   Excelência no transporte de passageiros

A excelência no transporte de passageiros caminha junto com a Viação Garcia desde sua fundação, em 1934, e é resultado da dedicação de mais de 2.500 colaboradores. A empresa se orgulha de manter em seus quadros colaboradores que estão na empresa há mais de 20 anos. Um moderno Centro de Treinamento oferece cursos de atualização para todas as áreas.

A responsabilidade social se estende também para a proteção do meio ambiente, além do cumprimento da legislação ambiental. O compromisso da empresa é reduzir a utilização de recursos naturais em seus processos e produtos com foco no desenvolvimento sustentável. Esta política começa pela revisão freqüente de motores, uso de biodiesel, coleta de lixo reciclável, tratamento de efluentes líquidos, entre outros procedimentos.

TERMINAL RODOVIÁRIO JOSÉ GARCIA VILLAR

A importância histórica da Viação Garcia para o desenvolvimento do Norte do Paraná também é reconhecida publicamente no atual Terminal Rodoviário de Londrina. A obra leva o nome de José Garcia Villar que, em 1937, logo nos primeiros anos de atividades da Viação Garcia, tornou-se sócio de Celso Garcia Cid.

A maneira como Garcia Villar tornou-se proprietário de metade da empresa ficou conhecida e já foi até contada em livro. Quando precisou de um novo sócio em 1937, Garcia Cid publicou um anúncio no Jornal O Estado de São Paulo.

Antes de procurá-lo para conversar, José Garcia Villar começou a percorrer as linhas da empresa para saber se o negócio era mesmo lucrativo. Em uma caderneta, anotava tudo: o consumo de combustível, a quantidade de passageiros e de vales.

Os motoristas começaram a notar a freqüência do "homem da caderneta" nas viagens e trataram logo de avisar Celso Garcia Cid. Antes que Celso pudesse encontrá-lo, José Garcia Villar foi até ele e disse que, após fazer as contas, queria a sociedade.

Em primeiro de fevereiro de 1938, Viação Garcia passa a se chamar oficialmente Empresa Rodoviária Garcia & Garcia.

José Garcia Villar morreu em 1962, mas sua importância na empresa, como o homem que era o "freio e a embreagem" do "acelerador" Celso Garcia Cid ficou conhecida. Para ele era importante "rodar com revisão e andar com os pés no chão".

Assim, quando a construção do novo terminal rodoviário de Londrina foi anunciado, não houve dúvida quanto a seu nome de batismo.

O projeto original foi executado pelo arquiteto Oscar Niemayer, porém sofreu algumas alterações pelo prefeito Wilson Moreira. A construção é toda feita em zinco.

O formato do Terminal Rodoviário José Garcia Villar, inaugurado em 1988, é circular, no centro o teto possui uma abertura que está sobre um jardim, ao redor do qual estão localizados os guichês para a venda de passagens, as lojas, farmácias, lanchonetes, banco e outras utilidades. As plataformas ficam na parte mais externa do círculo.

É considerado um dos mais bonitos e completos terminais do Brasil com serviço de táxi, além de plataforma para embarque dos passageiros no sistema integrado de transporte coletivo, shopping 24 horas, praça interna e externa, além do relógio de Sol.

MONUMENTO AO PASSAGEIRO

O Monumento ao Passageiro é outro presente da Viação Garcia para Londrina. Inaugurado em 10 de dezembro de 1989 em comemoração ao 55º aniversário da empresa, localiza-se em frente ao Terminal Rodoviário José Garcia Villar.

A Escultura tem 15 metros de altura. Possui colunas de concreto que apoiam uma esfera de 5 metros de diâmetro, que esta cortada em três secções e apoiam as duas figuras humanas e a semente que são feitas em aço inoxidável. A esfera possui 1 metro de diâmetro e foi confeccionada em latão dourado.

Segundo o artista plástico Henrique Aragão, criador do monumento, as duas figuras humanas, simbolizam os viajantes que procuram uma integridade interior e a unidade entre Eros (desejo) e Tanatus (morte).

Assim o artista procurou retratar o que ele chama de Homem Completo. Uma das figuras busca o interior, pois esta voltada para dentro. E a outra busca uma interação com o infinito e com o cósmico, pois tem toda a sua abertura para fora.

A semente que fica no centro do monumento significa segundo o artista, "tudo o que se cria, tudo o que nasce e tudo o que se transforma".

MUSEU DE ARTE DE LONDRINA

A Viação Garcia colaborou com a fundação do Museu de Arte de Londrina que, antes disso, foi uma das mais "modernas" estações rodoviárias do interior do Brasil.

Sua construção foi estimulada e apoiada pelos proprietários da Garcia que, assistindo e protagonizando a chegada do progresso ao Norte do Paraná - a passos largos e quilômetros rodados - logo perceberam que a cidade precisaria de um novo local para embarque e desembarque de passageiros.

Construído em 1952 pelo arquiteto João Batista Villanova Artigas, o prédio foi utilizado como rodoviária até o ano de 1988. Tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico-Estadual em setembro de 1974 ainda conserva características de sua utilização originária, tal como a antiga plataforma de embarque, encoberta por arcos interligados.

O prédio foi tombado como primeira construção em estilo moderno do Paraná, representando o marco de um período da arquitetura brasileira.

Localizado no centro de Londrina, na Rua Sergipe nº 640, o edifício ocupa uma área total de 1.044, 70 m².

Quando foi desativada em 1988 a estação rodoviária passou por uma ampla reforma a fim de garantir as características originais e preservá-la como patrimônio histórico.

A reforma foi patrocinada pela Associação dos Funcionários da Viação Garcia (AFUVIGAR) e teve a coordenação do arquiteto Antonio Carlos Zani.

Após finalizada a obra, o prédio não teve uma destinação específica por um período de cinco anos. Mais em maio de 1993, o espaço foi ocupado pelo Museu de Arte de Londrina, órgão criado pela Prefeitura de Londrina.

Na cerimônia de inauguração do novo Museu, os esforços da Viação Garcia e sua Associação de Funcionários na preservação do prédio foram reconhecidos publicamente.


   Endereço da Matriz

Viação Garcia

Av. Celso Garcia Cid, 1100, Londrina, Paraná.
Telefone: 0800 400 70 90.